segunda-feira, agosto 28

As loucuras de Brooklin

As loucuras de Brooklin
Paul Auster
Edições Asa

História de um quotidiano Banal de gente comum, história de cidade polvilhada de passos anónimos. É o relato de um Homem que caminha na vida entre o egoísmo e a solidariedade. Caminhos na morte, orientados na sobrevivência da alma e dos afectos. Escrito por Auster, até as cousas simples tem história.

“- Tens saudades da tua mãe, Lucy, não tens? – perguntei-lhe certa noite.
- Tenho umas saudades tão grandes que é uma coisa mesmo horrível – disse ela - Tantas saudades que faz doer o coração.
- Queres voltar a estar com ela, não queres?
- Mais que tudo. Todas as noites, peço a Deus para ela voltar para mim.
- E ela há-de voltar, Lucy. Tudo o que tens a fazer é dizer-me onde podemos encontrá-la.
- Eu não posso fazer isso, tio Nat. Estou sempre a dizer-te a mesma coisa, mas até parece que não ouves o que eu digo.
- Eu ouço, garanto-te que ouço. Só não queria que continuasses assim, sempre tão triste…
- É uma coisa de que eu não posso falar. Fiz uma promessa e, se quebrar a minha promessa, sou condenada a arder no Inferno. O Inferno é uma coisa que é para toda a eternidade e eu sou muito miúda. Não estou pronta para arder a eternidade inteira.”

Sem comentários: