terça-feira, agosto 22

A ponte dos suspiros

A ponte dos Suspiros
Fernando Campos
Difel


Romance histórico, bem ao jeito de Fernando Campos. Relata as angústias de D'El Rei Dom Sebastião e das amarguras passadas para provar a todos que não morreu em terras de Alcácer Quibir. O interesse está na evolução do jovem arrogante rei e do seu percurso como homem.
Não tem o fulgor de outros romances de Fernando Campos, mas consegue levar-nos para a intriga geopolítica da Europa, vincando a forma como desde então, nos remedíamos com a mediocridade e o complexo de termos perdido o poder, e nos deixamos encobrir em nevoeiros de identidade perdida.

“Gaivotas e pombas são as minhas visitas, às vezes um ou outro pardal pousa a medo no beiral do meu janelo de grades. Dou-lhes migalhas do meu pão. Habituam-se ao ritual e acabam por também eles serem o meu relógio dos dias intermináveis. A única vantagem do meu cárcere é não se situar nos caboucos do palácio, mas alcandorar-se cá em cima no balouçar dos nevoeiros, sobre a ponte dos suspiros.”

Sem comentários: