segunda-feira, novembro 6

O Senhor Valéry

Gonçalo M. Tavares
Edições Caminho
1ª edição Abril 2002



Entrar no Bairro de escritores de Gonçalo Tavares, é entrar num universo de filosofia admirável. São pensamentos (na linha do autor), mas pensamentos que se tornam personagens. Têm nome e desenham. É um universo poderoso, como poderoso é qualquer pensamento que questiona e se desinibe na infantilidade de ser inteiro e ingénuo…
É o admirável mundo dos poetas, que vivem a poesia no respirar do olhar.
Passear neste bairro, de ilustres escritores ( personagens que encarnam pensamentos) é uma aventura de interrogações sobre a condição humana e sobre a bizarria do nosso quotidiano, que é obrigatório não perder...

(...)
“O senhor Valéry era pequenino, mas dava muitos saltos.
Ele explicava:
- Sou igual às pessoas altas só que por menos tempo.
Mas isto constituía para ele um problema.
Mais tarde o senhor Valéry pôs-se a pensar que, se as pessoas altas saltassem, ele nunca as alcançaria na vertical. E tal pensamento desanimou-o um pouco. Mais pelo cansaço, no entanto, do que por esta razão, o senhor Valéry um certo dia abandonou os saltinhos. Definitivamente.
Dias depois saiu à rua com um banco.
Colocava-se em cima dele e ficava lá em cima, parado, a olhar.
- Desta maneira sou igual aos altos durante muito tempo. Só que imóvel.
Mas não se convenceu. “
(...)

Sem comentários: