terça-feira, janeiro 8

Apresentação da Noite

Al Berto

(…)
- um bar lembro-me de um bar e choraste
eu dizia-te que chorar é lembrarmo-nos de nós um instante
repara como o sal dos olhos esboça o singular destino pelas mãos abertas ao rosto
a cigana lera a mesmíssima coisa numa tarde em que passeámos de eléctrico
repara como as águas do rio se turvam de rímel
repara nos mapas desfocados da viagem imaginária
um bar?
terei eu dito que me lembrava de um bar?
(...)

in " apresentação da noite" edição Assirio & Alvim

1 comentário:

Poesia Portuguesa disse...

porque na sua alma inquieta, está a dor e a ousadia...

Al Berto, que tão cedo partiu...


Um abraço e já agora...FELIZ 2008

;)