terça-feira, junho 24

AvóDezanove e o Segredo do Soviético

Ondjaki
AvóDezanove e o Segredo do Soviético

Uma estória contada por crianças, de um país criança, invadido por gentes e costumes, num labirinto de sentires que (des)explodem em sal. Cada frase é um poema que nos transporta para a ingenuidade do existir. Escrito num linguarejar "afrotuguês" , vem demonstrar ( com a simplicidade arrepiante da poesia contada em estória) a estupidez cega de um acordo ortográfico que tenta matar o que de mais rico a fusão do português no mundo produziu , a mestiçagem linguística .
Ondjaki , como tantos outros autores Africanos transforma a poesia em emoção. Mais do que a estória contada pelas memórias de uma infância, que coabita com a fantasia, esta narrativa da saudade de um marazulindo, fica gravada e empurra-nos para o sonho, no qual somos atropelados pela força da pureza da ingenuidade das crianças que num país manchado de sangue e fomes, ainda conseguem sonhar e sorrir…
“ – Estórias do antigamente é assim que já foram há muito
tempo?
- Sim filho,
- Então antigamente é um tempo, Avó?
- Antigamente é um lugar.
- Um lugar assim longe?
- Um lugar assim dentro.”
in AvóDezanove e o Segredo do Soviético

3 comentários:

Menina_marota disse...

Uma referência para estes dias de calma que vão ser as férias dos... outros.

Grata pela partilha.
Bj e bom fim de semana ;))

Anónimo disse...

este "puto" é assim... especial!! também gosto de o ler!
nani

Anónimo disse...

estou a ler outra "delicia"-
"venenos de deus, remedios do diabo" de Mia Couto outro africano de outras africas também "nossas"
imperdivel!!!!