sexta-feira, maio 15

lastro

Arrasto uma tristeza, enlaçada num lastro de tempo, denso, que me canibaliza o amanhã.
Corro indiferente,
no limite da sombra. Invento-me,
na tentativa inútil de renascer num sorriso. Invento-me gaivota,
como quem ilude o labirinto e voo, voo pintado de azul, num planar sereno, sem olhar chão que me atrai na queda.