domingo, novembro 18

feitiços?

Olho-te

( persegue-me nos passos o que me vai nos olhos,,,não a palavra, mas o Ver, colado à pele e ao sentir…)
Olho-te,

( como quem imagina estórias e
vidas… )

menina

( não consigo, mesmo que mergulhe no escuro, senão ver-te menina, cabelos livres no medo de seres criança a sorrir fora das lágrimas, indiferente aos tempos que se cruzam entre caminhos...)
e não és outra que menina a brincar nos feitiços, a fugir deles, a perseguir um carrinho de linhas vivo, carrinho brinquedo-alado a saltitar vidas e a desenrolar-se de azuis

( era azul a linha que te costurava os sonhos)
a fugir pelos horizontes a perder de vista,
e tu

( agora?)
mulher-menina a fugir no fingir de medos…
Olho-te e vejo-te mulher, já não menina a respirar inquietudes e cumplicidades.
Tu e eu, autênticos um e outro, meninos, ambos a desenhar azuis, e o carrinho de linhas a fugir por ruas e de nós, como quem voa sozinho, agarrados ao que fomos e já não vemos...
( ou já não somos?)

3 comentários:

isabel disse...

Cada vez mais menina no avesso e ao inverso.

Beijinhos

Anónimo disse...

...e no horizonte dos meus olhos caiu um pingo azul com mesclas de verde e negro...

Pi

Anónimo disse...

Um sorriso,
Assim, de repente, perdi-me noutros tempos.. belos, sem dúvida! Beijo

M!