sexta-feira, julho 17

escultor de sombras


voo, no silencio dos ventos,

e não me sinto pássaro,
mas escultor de sombras e de memórias, a respirar serenidades...

varro silêncios,

como quem acaricia o tempo que nos habita o passado

Sem comentários: