segunda-feira, junho 21

ausência

recebo,
nas pedras
a areia do sol
e pinto
o desespero dos olhos que vão,


além…,

na angustia do vazio da cor e do destino ( que arde na melancolia do não se ser no hoje).

pinto,
nas pedras,
o sal,

que me caminha a memória, como quem abraça a solidão,
a sorrir-dos-ventos.

quero ( te)
aqui, entre o nada e o beijo, magnólia do mar, a acariciar desejos.
vejo ( te) ausente, no cardume dos barcos que me velejam,
e pinto ( te), na única cor com que te sinto,
in ( sangue ) de mim…

1 comentário:

Menina Marota disse...

Na ausência sentida... as tuas palavras ficarão sempre comigo...
Beijo

http://almaminha.blogs.sapo.pt/