segunda-feira, agosto 16

pó de vento, e um grão de areia

Desendeuso.me na lentidão do dia, como quem olha rebanho de estrelas. Uma a uma nomeio.as no desnude de mim. Disseco-me nos nomes da terra, grão a grão, húmido, quente e oiço.me no eco do sol. (é isto a liberdade? Não ter nome autentico e ser cada nome que me tempera o ver?) . Estendo.me difuso no azul e respiro as cores, como quem pinta os mares da lua. (Quem sou? Que cor me olha a alma imóvel?)

Pó do vento, e um grão de areia!

Sinto.o na pele que me rasga a carne e deixo.me deslizar na vertigem do ponto que me ata ao universo e vou em saltitar de pássaro sem asa no calor de um abraço que me caminha no existir de um quadro inacabado de destinos.


Ser Livre é aceitar a serenidade do destino e das cores que nos pintam o olhar…

In “ apontamentos de um manual intimo da serenidade” ou como deixar que a liberdade nos respire no silêncio do dia”

2 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

achei nostálgico o teu texto, mas, gostei, como gosto de tudo ou quase tudo o que escreves.

se não me falha a memória em 2005/2006 já escrevias para :

"apontamentos para um manual para a serenidade"

acho que era assim.

vou gostar de ler a continuação destes :

"apontamentos de um manual intimo da serenidade"

um beijo sereno!

almaro disse...

pi: nostalgico? talvez sim. mas como estou amarrado e limitado nos movimentos, divago para me serenar. quanto aos "apontamentos para um manual da serenidade", acho que o organizo desde que nasci ( eheheeh). Este é intimo, porque aqui parado tudo me parece mais intenso e intimo, e o voar toma outras formas, outros sentires, outras verdades, ou seja outros olhares. o manual é o mesmo, intimo ou não. um beijo