sexta-feira, outubro 26

no silêncio, sem ti

No silêncio da serra,
oiço-te, mar,
na humidade das nuvens, em sussurro de amantes,
abraço, esta solidão na saudade  ( nua), de te ter misturada em mim,
sem me saber no eu,
preenchido no olhar sublime da tua boca e do perfume das flores-semente,
na combustão lenta da saliva-do-tempo,
que me foge...