quarta-feira, julho 3

re-começar

o sol ruge nas pedras
soltas
num manto de sombras-bailarinas
sem tempo
sem ventos...

pedras,
rubras!

com os olhos abertos no céu,
entre nuvens que se passeiam, em pastos selvagens

como águias!

águas a suarem sal
na solidão do tempo 
que se desfaz na mão
corrompida no silencio dos passos nocturnos...

1 comentário:

© Piedade Araújo Sol disse...

re-começar!
sempre!
nem que nos custe o sal dos olhos...