sexta-feira, janeiro 11

(in) definições

Sei,
com a convicção de um instante,
(Como é efémero um instante, no entanto é com a soma deles que se constrói o eterno…)
Que mania a tua de te interromperes, de saltares de uma coisa para a outra…
Sei, com a convicção de um instante,

(Do instante, porque a verdade passa-nos a correr como que a fugir e quando a queremos fixar já lá vai longe… é doida a verdade… só quando se cansa a apanhamos…)

Desculpa…eu continuo…
Sei, hoje que
( assim é melhor, é neutro, não tem interrogações existenciais…)
isto está difícil…
Dizia eu,
... o que me distingue dos outros animais, não são as palavras, nem a fala, tão pouco o pensamento
( mesmo que desordenado e irrequieto),
mas a forma como transformo o olhar em sentir…

8 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

interessante os teus monólogos...

Poesia Portuguesa disse...

E no olhar limpido, a transparência da alma que se inquieta...

Um abraço ;)

Joaquim Amândio Santos disse...

o que é o conhecimento?

visão directa do corpo e da atitude?
prolongado caminho nem que condutor à saturação encapotada?

Vivência superficial feita de fait-divers e não de curiosa partilha sem hora nem condicionalismos marcados?

Será assim tão impossível iniciar o conhecimento na distância? julgo que não e defendo tal desiderato.


A MINHA HOMENAGEM AOS LAÇOS CRIADOS PELOS BLOGGERS!

mcorreia disse...

obrigada por esta prenda dos meus anos :)

jeremias disse...

PI: Na maior parte das vezes baralham-me, por se imporem, e levarem-me para onde não quero...

jeremias disse...

Menina Marota: a inquietude é , na verdade o motor da descoberta...

jeremias disse...

joaquim: não te sei resposta, mas naquilo que me vou desenhando, conhecer , é na sua essência, pedaços do olhar que se ligam na coerência de um ponto e de memórias...
um abraço e sê bem vindo a este espaço de eternas incongruências...

jeremias disse...

seila: desculpa a ausencia de um beijo, nesse teu dia de anos.