quinta-feira, janeiro 31

Se voasse, não feria o mar

A morte é um eco a espreitar ao longe
( é a nossa própria voz a perder memórias, num gemido esquecido que nos
abraça os silêncios…)
Repete-se
escondido
a esvoaçar, deselegante nos vazios
( como o voo do morcego)
Por vezes vou com o eco de um navio-sem-velas-a-ferir-o-mar…
Se voasse,
podia ir, sem o ferir, sem o sangrar de sal,
como uma onda perfeita,
a espreguiçar-se de horizontes,
ao sol…

“quando morreres pede que te fechem os olhos, para te veres na vida, todo
por dentro”
Disse-me uma gaivota que se balouçava na onda e no vento…




(ou seria o eco?)

4 comentários:

Menina_marota disse...

( é a nossa própria voz a perder memórias, num gemido esquecido que nos
abraça os silêncios…)


Só perdemos o que queremos, porque as memórias essas ficam, mesmo que não queiramos.

Um abraço e tudo de BOM ;))

Maria Clarinda disse...

Simplesmente genial!!!!

"Se voasse,
podia ir, sem o ferir, sem o sangrar de sal,
como uma onda perfeita,
a espreguiçar-se de horizontes,
ao sol…


“quando morreres pede que te fechem os olhos, para te veres na vida, todo
por dentro”

Disse-me uma gaivota que se balouçava na onda e no vento…"


Palavras que mecheram demais comigo.
Obrigada por elas.

jeremias disse...

maria clarinda: simplesmente, sentires...

jeremias disse...

menina marota: como descordo de ti, querida amiga...as memórias são cousa irrequieta, que se metamorfoseam como uma crisálida, ou simplesmente evaporam deixando vazios negros a balouçar nos labirintos que criam...