segunda-feira, março 24

ilha ( moçambique)

O som da memória,,,canta-me

( histórias?
Ao longe…violinos-de-chopim…)
fragmentos,
pequenas estrelas,
filamentos de prata,
preta,
branca,

Em terras-do-indico…

Há um mar à janela,
(Oiço?
De longe…flautas de pan…)

e velas
(Açafrão, caril?)
na Estrela do sul,
( ilha?)

AZUL!

6 comentários:

Maria Clarinda disse...

Como gostei deste teu post e do teu jogo de palavras...
Jinhos

Ana Luar disse...

Quedo-me novamente à beleza das tuas palavras.

jeremias disse...

maria clarinda. Não lhe chamaria jogo, mas monólogos...ecos de um eu que se interroga, que se procura... são afinal as minhas vozes que se julgam cores...coitadas...( meio passo para a demência...eheheh_)

jeremias disse...

ana:não te quedes, leva-as, por isso as coloco ao vento...

Anónimo disse...

eu sei que sou teimosa, mas leio sempre dois poemas num só.

eu sei que vais dizer que nao são poemas.

mas eu sou teimosa!

tenho dito e redito e mais nao digo.

jeremias disse...

anonima: sim és teimosa. as palavras que escrevo tem simplesmente duas vozes, ás vezes três, raramente 4. para não me confundir, só dou atenção a duas delas...de cada vez...