segunda-feira, abril 28

nos (a)braços do tempo


No desenho não há arte,
( a arte está no tempo)

a linha esconde a ansiedade do sentir
e é ele
( tempo)

que a desenrola no papel e na cor…
O desenho, é assim
( nos meus olhos de hoje)

uma lágrima que se esculpiu em poema
e fugiu
(ao poeta)

para ele se libertar da cor que lhe estrangula o respirar e o ver...
( dor?)
Essa fuga,
essa lágrima,
esse desenho,
é construído nas linhas do tempo,
( abismo?)
pois só ele sabe transformar o caminho em cor…
tudo o que se vê no desenho,
mesmo que incolor,
é puro sentir
( amor?)

2 comentários:

Ana Luar disse...

é puro sentir
( amor?)


...............Não, é apenas tempo!

:) beijo enquanto me perco novamente na leitura desta linha de tempo por ti desenhada

bráulio alves disse...

Muito bonito tanto o quadro como o poema...