domingo, abril 20

sem tela

Nos braços-sombra
( de uma árvore-anjo)
desenho,
( sem tela)
uma linha comprida
( sem centro)
paralela…
( entre mim e ela)
Em cada um dos pontos
( passos? estrelas?)

vai um barco-á-vela…

Adormeço
( quase menino, quase índio)
empoleirado,
divertido,
na linha ténue que me separa do sonho de dormitar nos braços dela…

Subo com o vento
( gaivota?)
ao ramo mais alto
( sem volta)

e salto…
( é arvore-anjo que importa se caio …)
voo,
na linha que desenho
(paralela)
entre mim e o deserto…

Lá no longe, está ela
( índia? cigana? )
a colorir o quadro sem tela…

4 comentários:

Anónimo disse...

que lindo....

Anónimo disse...

pois...é lindo!!! as outras palavras ficaram todas lá!!!
nani

Maria Clarinda disse...

Adoro este jogo de palavras.
Foi bom andar pelo teu cantinho.
Jinhos

Anónimo disse...

a tela não tem caixilho..

mas tem a cigana!

ou será que é india?!

beij