quarta-feira, março 16

des(aguares)...

No desequilíbrio da sombra, ando, no vagar da noite, entre navios que gritam nevoeiros e gaivotas enlouquecidas de cheiros ocres.

Ando, no fio da linha que me “enzola” na vida, e nas cores que insistem adormecer o sol.

Caminho no fuso do tempo, a colar memórias que se estilhaçam no sopro da lua, em “desaguares” nocturnos.

Tomo o corpo do Rio, e desenho margens para que os navios se acalmem na noite que não finda.

Sem comentários: