sábado, setembro 8

linhas intermitentes de uma mão cinzelada de destinos



pousei, na palma da mão ( da vida?)
o pólen-do-tempo,
pó-de-luz que os olhos escondem medroso de existir

Sem comentários: