domingo, junho 10

E tu?


corto o azul, de lâmina acesa de vontades animais, de olhos dilatados de querer, sem que cegue (seque?) as lágrimas doces do sentir.
imóvel,
vivo-me na espera de me ver viajar, entre manhãs.
ciclos sucessivos de ondas,
sem mar.
corto o futuro, rasgado de cenários sem palco nem actores.
degrau
a
degrau,
a voar certezas , indiferente aos destinos, instintos que me voam nos sonhos….
e tu poeta? que fazes aí?
assistes à decomposição dos ventos? ou recortas memórias que o outro entalha no sentir?

3 comentários:

© Piedade Araújo Sol disse...

:(

Rosa Brava disse...

"...
ou recortas memórias que o outro entalha no sentir?"


É bom ter a possibilidade de continuar a ler-te.


Um abraço de Amizade

Barros disse...

Parabens.
www.barros-blogdasideias.blogspot.com