segunda-feira, novembro 12

no silencio das pedras


na melodia das pedras tatuo as tuas lágrimas em moldes de borboleta,
para que a tristeza cante
e se liberte
da mágoa
sozinha,
no pólen da alma
e inventar a poesia da pele
(andarilho do amante)
em suspiros do tempo-d’água
e do levante….

Sem comentários: