quarta-feira, novembro 14

saudades


passeio, de mão dada , saudades
a soletrar o tempo, em melodias surdas
como quem engana a fome
com pedaços de ilusão
na solidão das noites
sem ti…
Navego turbulento nas ausências
a arar distancias
avido da saliva que me beija
no escuro
com a suavidade do teu corpo que me enlaça
entre as margens doces da alma que viaja
nas madrugadas do futuro…

Sem comentários: