quinta-feira, maio 12

onde vivem os poetas?

Papá, papá, onde vivem os poetas?
A pergunta ficou até hoje, gravada no eco.
Não que não tivesse resposta mas porque, na certeza  que pergunta assim feita do nada por filho criança, tinha jeito de armadilha.
Tivesse eu , incauto dito.
nas nuvens
ele criança, teria desenhado um enorme sorriso de escárnio e ripostado com gozo ,
nas nuvens?
se vivessem nas nuvens chovia poesia e não água!
Ou tivesse eu fugido para o refugio do banal e dito convicto ,
na lua
ele ,
na lua?
se fosse na lua ficavam lá presos . os poetas não inventam foguetões para irem à terra.
Por isso deixei a pergunta a esvoaçar entre cá e lá ( seja onde for o cá ou o lá , qualquer que seja o lugarejo encavalitou-se no tempo à espera que o sorriso escarnoso se fosse adocicando de idades)
hoje já pai, o filho, não tenho forma de lhe esconder resposta e sei pelo convívio que os poetas habitam uma caixa. É verdade que nem em todas as caixas pernoitam  poetas,
mas sim com toda a certeza é numa caixa onde se dedicam à agri(cultura).
semeiam todo o dia, (noite incluída que poeta não dorme ou quando dorme semeia em ganas de fúria),
palavras
e ficam por aí a pairar ( daí a nuvem, ou a lua) á espera que a palavra flore para lhe colherem o sentido, o aroma ou o desenho…

1 comentário:

© Piedade Araújo Sol disse...

os Poetas vivem no desassossego do momento

:)