quinta-feira, maio 12

somas

Conto os passos,
Somo-os ...
e DIGO-OS no silêncio das sombras que me acordam o amanhecer do ver.

Nem todos são meus, ( os passos), mas conto-OS, um a um , para desenhar caminhos.
Nem rectos ( os caminhos) nem curvos,

para diante,

sempre a fugirem do instante do presente, carregados ( coloridos?) de memórias ( fardo pesado para quem voa junto ás estrelas travestido de gaivota que se resguarda do cinzentos das tempestades…)

Conto, um a um ...

Digo-OS , um a um , como quem canta histórias que se ondulam no horizonte do universo.
Conto-OS, OS passos, como quem respira serenidades…

1 comentário:

© Piedade Araújo Sol disse...

os passos são nossos ( e de outros também) sempre insubmissos sempre certos, incertos e por vezes desregrados....

:(